OS ALIMENTOS E A TIREÓIDE

          

A alimentação balanceada é fundamental para a obtenção de uma boa saúde e para a prevenção de doenças. Entretanto, algumas substâncias contidas em alimentos podem interferir com o bom funcionamento de vários órgãos do nosso corpo.  Com a glândula tireóide, aquela em forma de “borboleta” localizada na região anterior do pescoço, não poderia ser diferente.           

A glândula tireóide utiliza o iodo para a produção de seus principais hormônios: o T3 e o T4 os quais atuam em diversos processos metabólicos do corpo humano.           

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) recomenda o consumo moderado de sal, uma vez que o iodo está presente nesse alimento e este elemento químico, em excesso, pode interferir na produção dos hormônios tireoidianos para mais (hipertireoidismo) ou para menos (hipotireoidismo) dependendo do indivíduo.           

Além do sal iodado, existem alimentos chamados BOCIOGÊNICOS, isto é, podem facilitar a formação do bócio. Repolho, nabo, couve, soja devem ser consumidos no máximo duas vezes por semana por indivíduos que apresentem doenças tireoidianas ou por aqueles que tenham uma tendência ao surgimento de doenças desta glândula.